Notícias

Cisternas levam esperança de uma vida nova na Bahia

Saiba mais

Agroecologia e Clima

14 / 12 / 2017

Cisternas levam esperança de uma vida nova na Bahia

Altamira e sua família estão superando condições de vida extremamente adversas, como a falta de água, graças ao nosso apoio e do nosso parceiro MOC, na Bahia.

Ela tem 59 anos e vive com o marido e os dois filhos, numa região que sofre com a estiagem.

Há anos que no município não tem chuvas em abundância para termos boas lavouras. Com isso, estamos vindo de muitas plantações sem colheita. Ainda assim a minha família só sobrevive hoje por conta da água que a gente tem na cisterna. A vida toda que a gente mora aqui só se plantava no período de chuvas, até que vieram as cisternas do MOC.

O que a gente precisava era de água.  Com a chegada das cisternas de beber e de produzir a gente começou de pouco em pouco a plantar e hoje temos para o sustento e para vender. Antes da cisterna a gente passava por muitas dificuldades, não era fácil, não tinha renda.

Trabalhamos em parceria com o MOC para melhorar o acesso de milhares de famílias agricultoras à água, a uma alimentação saudável e à renda através de cursos de capacitação e orientação de comercialização em feiras locais.

Antes eu só plantava um pouco de coentro e de tomate. Depois das formações eu planto pimentão, pimenta de cheiro, couve e repolho. Não perco meus alimentos e graças à assessoria técnica do MOC eu estou produzindo mais e melhor. Hoje, tudo o que eu como em casa é da minha horta e a minha renda também melhorou muito. Antes não vendia e só consumia pouco do que eu tinha e hoje já dá pra fazer as nossas compras de casa com o valor que a gente recebe vendendo nossos produtos. Sem o apoio da ActionAid a gente não teria conseguido nem a horta, nem esses conhecimentos que a gente ganhou através dos eventos que o MOC trouxe.

Além disso, Altamira participa do grupo chamado “União Forte”, onde cada uma das agricultoras vende seus produtos e participa de reuniões de conscientização contra a violência às mulheres.

Isso nos ajuda a entender também sobre os nossos direitos, pois a nossa maior dificuldade acaba sendo a renda própria, porque nem todas conseguem ter. Por isso achamos tão importante participarmos de oficinas e oferecermos capacitações para que muitas outras mulheres, como nós, recebam ajuda. Acho que toda nossa comunidade, sem esse apoio, não teria conseguido as cisternas, e sem elas nós não teríamos nada para vender. Eu espero e sonho para o futuro da nossa comunidade que todas e todos possam produzir também, aumentando a renda e participando cada vez mais das reuniões que nos ajudam a crescer.  

Emily tem 12 anos e é neta de Altamira. Há um ano ela participa do projeto de apadrinhamento e através da parceria entre a ActionAid e MOC ela já pôde aprender um pouco mais sobre a sua comunidade e os seus direitos:

Eu gosto de participar das atividades, mas o que eu gostei mais foi do intercâmbio de troca de saberes entre as crianças e adolescentes! Foi muito bom dividir os nossos conhecimentos e aprender com as outras meninas e meninos sobre os nossos direitos e como fazer a nossa comunidade se desenvolver. As oficinas me ajudaram até a ler melhor. Acho que a gente precisa aprender a viver unidos porque só assim as coisas melhoram e as mudanças chegam mais rápido. As pessoas precisam aprender a fazer ainda mais: se unir e lutar pelos seus direitos. Temos muita coisa para melhorar na comunidade ainda, gostaria que mais pessoas tivessem hortas como a da minha avó e que estejamos unidos para que o prefeito faça muitas coisas pela nossa comunidade, como o MOC já tem feito. Então eu sei, agora, que junto a gente pode fazer o que a gente quiser.

Nina Borges

Assessora de Comunicação Digital

E-mail: nina.borges@actionaid.org

OUTRAS NOTÍCIAS